Close
November 10, 2022
Climate

Comunicado de imprensa: Mais de 100 lobistas de combustíveis fósseis do que no ano passado, inundando as negociações climáticas cruciais da COP

Ronke Ige, organizer, leads the crowd at COP27 in a chant to Kick Big Polluters Out of the Climate Talks.

Mais lobistas de combustíveis fósseis do que representantes das dez nações mais impactadas pela crise climática registrados para participar da COP27

Este comunicado de imprensa também está disponível em inglês, francês e espanhol.

10 de novembro de 2022, Sharm El-Sheikh 636 lobistas de combustíveis fósseis foram registrados nas negociações climáticas da COP27, afiliados a alguns dos maiores poluentes do mundo, as gigantes do petróleo e do gás. Este é um aumento de mais de 25% em relação à COP26, mostrando um aumento da influência da indústria de combustíveis fósseis nas negociações sobre o clima que já estão repletas de acusações de censura da sociedade civil e influência corporativa.

A análise de dados da lista provisória da ONU de participantes nomeados pela Corporate Accountability, Corporate Europe Observatory (CEO) e Global Witness (GW), revela a escala em que os atores corporativos com participação na queima contínua de combustíveis fósseis têm desfrutado de acesso a essas conversas críticas. As descobertas estão alimentando um crescente esforço global para proteger as negociações da interferência de poluidores.

Os pesquisadores contaram o número de indivíduos registrados – diretamente afiliados a corporações de combustíveis fósseis, incluindo Shell, Chevron e BP; ou participando como membros de delegações que atuam em nome da indústria de combustíveis fósseis.

A análise conclui que a influência de petróleo e gás na COP está crescendo:

  • 636 lobistas de combustíveis fósseis registrados na COP27, um aumento de mais de 25% em relação à COP26 realizada no ano passado em Glasgow;
  • Mais lobistas de combustíveis fósseis do que qualquer delegação nacional, além dos Emirados Árabes Unidos que registraram 1.070 delegados em comparação com 176 no ano passado. Destes, 70 nomes são classificados como lobistas de combustíveis fósseis;
  • Apesar de ser o “COP Africano”, há mais lobistas de combustíveis fósseis registrados do que qualquer delegação nacional do continente africano.
  • 29 países no total têm lobistas de combustíveis fósseis em suas delegações nacionais. Depois dos Emirados Árabes Unidos, a Rússia está em segundo lugar, com 33 lobistas.
  • Há mais lobistas de combustíveis fósseis registrados do que representantes dos dez países mais impactados pelas mudanças climáticas de acordo com GermanWatch (Porto Rico, Mianmar, Haiti, Filipinas, Moçambique, Bahamas, Bangladesh, Paquistão, Tailândia e Nepal)

Ativistas do Sul Global, comunidades indígenas e outros que estão sofrendo desproporcionalmente o peso da crise climática foram efetivamente excluídos das negociações devido aos altos custos, desafios de vistos e ações repressivas do país anfitrião.

 

Um porta-voz dos grupos disse:

“Com o tempo se esgotando para evitar o desastre climático, grandes negociações como a COP27 devem avançar em ações concretas para impedir as práticas tóxicas da indústria de combustíveis fósseis que estão causando mais danos ao clima do que qualquer outra indústria. A presença extraordinária dos lobistas desta indústria nessas negociações é, portanto, uma piada distorcida às custas das pessoas e do planeta”.

“Isso ocorre em um momento em que pessoas em todo o mundo estão sofrendo com dificuldades financeiras causadas pelos altos preços da energia e outros milhões estão sofrendo pelos impactos desastrosos da crise climática. Em vez de ser o início da verdadeira ação climática necessária, a COP27 parece destinada a ser um festival dos combustíveis fósseis e seus amigos poluidores, impulsionados pelos recentes e abundantes lucros do setor.”

“Os lobistas do tabaco não seriam bem-vindos nas conferências de saúde, os traficantes de armas não podem promover seu comércio em convenções de paz. Aqueles que perpetuam o vício mundial em combustíveis fósseis não devem ser autorizados a passar pelas portas de uma conferência climática. É hora de os governos saírem dos bolsos dos poluidores, caírem em si e ajudarem a tornar a COP27 o sucesso que o mundo precisa que seja.” 

A presença de lobistas na COP não termina com a indústria de combustíveis fósseis. Outras indústrias poluidoras profundamente implicadas na crise climática, como finanças, agronegócio e transporte, também estão presentes, embora não estejam incluídas nesta análise em particular.

Essas novas descobertas se baseiam em apelos nos últimos anos para proteger a integridade das negociações climáticas da ONU, estabelecendo políticas claras de conflito de interesses. Nos últimos anos, países que representam coletivamente quase 70% da população mundial solicitaram que esses conflitos de interesse fossem resolvidos.

 

Phillip Jakpor, da Corporate Accountability e Participação Pública da África (CAPPA), disse:

“Tem havido muita conversa fiada sobre este evento ser o chamado COP Africano, mas como você vai lidar com os terríveis impactos climáticos no continente, quando a delegação de combustível fóssil é maior do que a delegação de qualquer país africano? Mais de 450 organizações em todo o mundo estão pedindo aos governos mundiais que façam o que deveriam ter feito desde o primeiro dia. É hora de expulsar os grandes poluidores! Chega de escrever as regras ou bancar as negociações sobre o clima. ”

Uma ampla coalizão, incluindo aqueles que conduziram esta análise, está exigindo que a Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre a Mudança do Clima/CQNUMC, também conhecida como UNFCCC (do original em inglês) e os países finalmente expulsem os grandes poluidores das negociações climáticas, e estão exigindo uma estrutura de responsabilidade que exclua claramente as organizações que têm interesses financeiros ou adquiridos na produção ou queima de combustíveis fósseis.

Este é o segundo ano consecutivo em que as organizações realizam essa análise, descobrindo no ano passado que havia 503 lobistas de combustíveis fósseis registrados em Glasgow. 

 

***FIM***

 

Notas:

  • Para obter informações completas sobre a metodologia, entre em contato com dkavakeb@globalwitness.org
  • Mais citações de ativistas climáticos globais sobre esta pesquisa estão disponíveis aqui.

Contatos:

Global Witness – dkavakeb@globalwitness.org/ + 447 545 965 302

Corporate Europe Observatory – lucy@corporateeurope.org / +44 7908 481895

Corporate Accountability – media@corporateaccountability.org/ +1 617 784 4753